Apesar do Brasil estar voltando respirar na economia, a falta de liquidez financeira e acesso a capital para investimento ainda é difícil. Desse modo, encontra-se na multipropriedade uma alternativa para se ter acesso a capital e contornar a crise.

Diante desse cenário, a multipropriedade aumenta a possibilidade de bens que não são utilizados com frequência, que ficam parados durante a maior parte do ano ou, não conseguem ser vendidos ou alugados com facilidade, por serem caros, de se transformarem em dinheiro.

Por exemplo, casas de praia, apartamentos, granjas, fazendas, unidades turísticas em geral, ou até mesmo, iates, lanchas, jet-skis, carros de luxo, podem não estar sendo utilizados com regularidade e acabam congelando capital.

Dessa maneira, esses bens podem ser divididos em semanas, que serão vendidas ao comprador, que utilizará do bem de forma exclusiva e perpétua, durante o período contratado.

Compreenda, que esse formato de compra e venda, fornece ao vendedor maior liquidez financeira e não retira a possibilidade de utilizar o bem nas outras semanas do ano (aquelas que não foram vendidas).   

Melhor ainda, o comprador passa a conseguir ter acesso a bens antes inacessíveis, de forma democrática e cômoda, escolhendo a quantidade de semanas que lhe for conveniente, pagando de forma proporcional.

Logo, se antes havia o congelamento de capital e a falta de liquidez, com a venda da multipropriedade, é possível gerar riqueza para realizar investimentos e contornar a crise.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *